quinta-feira, 24 de abril de 2014

Campos Folia começa nesta sexta-feira no Cepop


O Campos Folia 2014 começa nesta sexta-feira (25) e prossegue até domingo (27) no Centro de Eventos Populares Osório Peixoto (Cepop), onde os homenageados serão o radialista Wálace Oliveira e o carnavalesco Rubinho Chebabe. A Prefeitura de Campos, através da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, está oferecendo toda estrutura para que as agremiações apresentem um belo espetáculo e a organização é da Liga Independente das Entidades de Samba (Liescam)

A corte vai receber das mãos da Prefeita Rosinha Garotinho, nesta sexta-feira (25), na abertura da folia, a chave da cidade, mantendo a tradição carnavalesca. Na oportunidade, serão apresentados os integrantes da comissão julgadora . Em seguida, acontecerá o desfile da União da ilha do Governador e os blocos do grupo de acesso (União Feliz e Unidos do Capão) e especial (Juventude da Baleeira, Chuva de Ouro, Os Psicodélicos, Castelo do Parque Aurora e Caprichosos de Guarus) e a participação do bloco Teimoso do IPS.


No sábado (26), a partir das 19h, o Bloco dos Santos, formado por evangélicos abrem o segundo dia de festa, com cerca de 1500 participantes. Depois, a animação ficará por conta da campeã do carnaval carioca, Unidos da Tijuca, prosseguindo com o desfile das seis escolas do grupo especial de Campos (Onça no Samba, União da Esperança, Ururau da Lapa, Mocidade Louca, Ás de Ouro e Madureira do Turfe). Para encerrar a festa, a Imperatriz Leopoldinense vai anteceder a apresentação das escolas do grupo de acesso no dia 27 (Os Independentes, Império da Baixada, Alvi-Anil, Amigos da Farra e Boi Sapatão) e participação especial da Estação Primeira de Guarus.

Acompanhado da presidente da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, Patrícia Cordeiro, o carnavalesco Milton Cunha visitou algumas agremiações e considera que será um espetáculo surpreendente.  “As escolas estão desenvolvendo um belíssimo trabalho nos barrações. Acredito que o Campos Folia será um sucesso assim como nos anos anteriores. A pista do carnaval é da democracia. Nela convive todas as diferenças: preto e branco, velho e novo, gordo e magro, religioso e ateu, héteros e gays. Enfim, o carnaval é democrático e isso seduz a plateia, pois o público fica encantado com as diferenças na avenida”, ressalta Milton, que é o responsável artístico e técnico do evento, convidado da Liescam.