quinta-feira, 11 de julho de 2013

Banco Central prevê inflação maior e crescimento do PIB menor



Ao que tudo indica, o governo está perdendo a guerra contra a inflação, a despeito da promessa da presidente Dilma Rousseff de que a estabilidade econômica é um bem precioso do qual não abre mão. 

A disseminação de reajustes contaminou tanto a indústria e o varejo, que o Banco Central foi obrigado a rever, de 5,7% para 6%, a sua estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano. Assumiu, ainda, que o custo de vida ficará, até o primeiro trimestre de 2015, sistematicamente acima do teto da meta definida pelo Conselho Monetário (CMN), de 4,5%. Na melhor das hipóteses, a média anual de inflação no governo Dilma será de 5,9%.
 
Ao mesmo tempo em que elevou a previsão para o IPCA — há 29% de chance de o indicador estourar o teto da meta deste ano, de 6,5% —, o BC derrubou a projeção de crescimento para este ano, de 3,1% para 2,7%, número considerado extremamente positivo por técnicos do próprio governo, que já falam em expansão entre 1,5% e 1,9%, e pelo mercado financeiro. É justamente a escalada de preços que está minando o ritmo da atividade, ao reduzir o poder de compra das famílias e inibir os investimentos produtivos. As empresas temem ampliar a oferta, e, mais à frente, não terem para quem vender.

Nenhum comentário: